segunda-feira, 2 de abril de 2012

Significado, relevância, sacralidade








Para a pessoa Pagã ou Bruxa [lembrete de que nem todo pagão é bruxo, e nem todo bruxo deve ser pagão], que se conecta à lida com oráculos, o oráculo não é "apenas" um sistema de leitura situacional do futuro, ou de diagnóstico para cliente/amigo.

Ele se constitui em algo íntimo, pessoal, particular, e partícipe do mundo sacro, do seu mundo sagrado, partícipe de dias especiais, de rituais sejam coletivos ou individuais.

Citando especificamente ao Tarot, que é o foco deste blog, tenho a dizer que ele, pode vir-a-ser uma atividade profissional para alguns de nós, mas no amplexo, no todo, na sua maioria consumimos decks de Tarot para um fazer pessoal.

Ignorar a sacralidade que jaz no Tarot para uma população cada vez mais presente no mercado, nós, os pagãos, as Bruxas/Feiticeiras, pode incorrer em descuido da parte de quem promove o Tarot seja aonde for.

De fato, esta fatia de mercado consumidor, que somos nós, encaramos com decepção e ofensa atitudes aonde o Tarot se coisifica. 
Para nós, ele não é papel impresso com valor embutido e regateado conforme for a oscilação da moeda estrangeira, nem meio de barganha de poderes, nem emblema de categorias sociais, nem bandeira de títulos representativos criados de forma egoica em torno ao Tarot, sem que a ele se enalteça e sim apenas aos indivíduos que se prestam a essa dança de coroas, coroações e diplomas.

O Tarot é para nós, um sistema iconográfico de conexão com nosso divino, um livro sagrado aonde mediante nossa leitura e reflexão deteremos um crescimento pessoal, um crescimento coletivo; um sistema de acesso aos nossos augúrios, e caso não se saiba augúrios para nós, são departamento sagrado, essencial e primordial em nosso cotidiano.

O Tarot possui espaço especial em nossas vidas e casas, não é apenas uma caixa que guarda lâminas que potencialmente signifiquem dinheiro em nossas carteiras. 
Ele "pode" também ser nosso ganha pão, e mesmo assim sendo isso, guardará em si SEMPRE nosso sagrado nele.

De forma em que quando confrontados com rixas, armações,  e ardis que cercam [ou por ventura venham a cercar] ao Tarot, nós, o povo pagão "desencantamos" dos fazedores dessas dinâmicas, e buscamos  outros nichos que ofereçam o produto que tanto queremos bem, nichos que atuam sem impregná-los duma energia caótica, confusa e negativa.

Curtimos sim, votar em decks que nos envolveram em paixão, que seduziram nossas almas e mentes, curtimos sim toda novidade, curtimos sim acompanhar o percurso de confecção dos nossos decks, pois desejamos saber o por quê dele vir-a-ser, a motivação do seu idealizador, o contexto em que foi parido, o meio em que se nutriu. A mitologia que ele detêm...

Essas coisas "do mundo" nos interessam!

Mas ser "obrigados" a colidir, colindar com situações aonde o respeito pelo outro e pelo Tarot são anulados, não é coisa que o povo pagão preze e muito menos aceite.

Na maioria, nós o povo pagão primamos por ser cordiais e manter a cordialidade, o respeito, a fala diplomática, mesmo em casos como o que eu, Luciana, tive o dissabor de lidar neste fim de semana, aonde um grupo meu para escrevinhadores de Tarot, da noite pro dia se viu invadido por "convidados" dentre os quais muitos, muitos mesmo, nada tinham a dizer sobre o Tarot,  promovido [ainda que se pense essa "promoção" ocorria de forma sútil e bem oculta] por um grupamento de pessoas que não sabem manter uma coexistência pacífica e em respeito sequer para com o Tarot, que tinha como meta única criar mal-entendidos, mal-estar e desestrutura...

Coisas assim nós dizem apenas que tais grupamentos andarilham à esmo, sem foco real, sem respeito para consigo, para com suas imagens, e menos respeito ainda  para com nós.

O Tarot para mim possui uma relevância mais do que delicada, frágil e que por isso mesmo precisa de zelo, cuidado, respeito e amor.

O Tarot para mim é sagrado.

Grata,

Luciana Onofre
Taromante/ Strix/
Feiticeira/ Bruxa
Mulher/Feminista




9 comentários:

  1. E assino embaixo!
    Ver o tarot sendo, muitas vezes, usado como nada fosse, para mim, è a mesma coisa que amadiçoar meus Deuses.
    E' triste, è baixo, è inferioridade...

    E eu, como bruxa, me envergonho dessas pessoas.

    ResponderExcluir
  2. As pessoas passam, estes comerciantes passam, e o que fica ? apenas o Tarot que é eterno, terno e sagrado!

    ResponderExcluir
  3. Quem lida com o Tarot se reencontra com imagens tão antigas quanto os deuses.
    Lindo, Lu. Um beijo.

    ResponderExcluir
  4. Lindo texto. Expressa tão perfeitamente o sentido do Tarot para mim....
    Obrigada por compartilhar :)

    ResponderExcluir
  5. Obrigada queridos, pelas palavras e pelas visitas =)

    ResponderExcluir

impressões de leitura

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...